sábado, 30 de junho de 2012

Eles Tocam Bateria e Cantam Ao Mesmo Tempo

Levon Helm(The Band ainda em vida)
Elaborar uma lista com os 10 melhores baterista do rock,é uma tarefa das mais dificeis. Entretanto,fazer um top list com os dez melhores bateras que conseguem manter o rítimo e soltar a vóz ao mesmo tempo,é tarefa quase impossível,isso porque existem pouquíssimos com tais características. Dentro do possível,listamos uma dezena de nomes desses herois das baquetas que alem dos braços e pernas,tambem usam o gogó com eficiência.

Don Henley(Eagles): Henley se destacou fazendo o vocal solo do hit "Hotel California",pertencente ao LP homônimo do Eagles.

Levon Helm(The Band): Falecido em 19 de Abril de 2012, o baterista canadense Levon Helm,ficou conhecido ao interpretar uma das músicas mais famosas do The Band,"The Waight".

Phil Collins(Genesis,Brand X): Antes mesmo de cantar pra valer,Collins ajudava Peter Gabriel nos vocais do Genesis.

Carmine Appice(Beck,Bogert,Appice): Com o BBA,Carmine soltou o vozeirão na música Superstition contida no primeiro álbum do trio,e originalmente pertencente à Steve Wonder.

Don Brewer(Grand Funk Railroad): Muita gente nem desconfia,mas um dos grandes sucesso do Grand Funk Railroad,"We In American Band" tem Brewer como o vocalista principal.

Buddy Miles(Band Of Gypsy): Miles nunca fez questão de ter vocalistas nos grupos por ele formado,nem precisava,ele tem uma vóz potentíssima,e é um dos melhores baterista de Rhythm & Blues que eu conheço.

Pete Rivera(Rare Earth): Pete canta tão bem quanto massacra seu kit de bateria.

Gill Moore(Triumph): Esse baterista tambem canadense,comprova que não é pra qualquer um tocar bateria,e cantar Heavy Metal ao mesmo tempo.

Matt Wood(Pride Tiger) Mais um do Canadá,Matt Wood faz parte da nova geração de bateristas que cantam,e a exemplo dos seus ídolos,é ele quem lidera a vóz e o rítimo no Pride Tiger.

Roger Taylor(Queen): Roger era o apoio vocal que Freddie Mercury necessitava.Um dos melhores momentos do baterista como cantor,foi na música "I'm In Love With My Car" contida no disco do Queen "A Night At The Opera".

THE BYRDS: Do Folk Elétrico Ao Rock Cowboy



No verão de 1964.Gene Clark(*1944 - +1991,guitarrista e cantor),deixa a banda folk The New Christy Minstrels e começa a procurar algo novo em termos musicais. Perambulando por Los Angeles,ele encontra Jim Mcguinn(mais tarde chamado de Roger Mcguinn),um músico que vivia em barzinhos enfumaçados, hora empunhando uma guitarra Rickenbacker de 12 cordas,ou então cantando acusticamente canções dos Beatles. No primeiro contato entre os dois,Clark propôs a formação de uma dupla nos moldes dos Ingleses Peter & Gordon(Peter era irmão de Jane Asher,uma das primeiras namoradas de Paul McCartney,no auge da Beatlemania). O projeto foi aceito de imadiato por Mcguinn,mas com uma condição,ele não queria um duo,mas sim uma banda onde pudesse fundir a sonoridade dos Beatles(principalmente os vocais),com influências do bluegrass e do Country. Dias depois com a convocação de David Crosby(Guitarras e Vocais),Chris Hillman(Baixo,Mandolim e Vocais) e Michael Clarke,eles se denominam  The Byrds,ainda sob influência do fab four. Com o grupo ensaiando repertório próprio e algumas versões de canções folk tradicional,acabam atraídos pelo mestre Bob Dylan que alem de recomenda-los à Columbia,ainda lhes presenteia com a canção Mr.Tambourine Man. Os Byrds alçam vôo em Junho de 1965, lançando justamente um álbum com o título de "Mr.Tambourine Man". Esta formação não sofreria alterações nos quatro primeiros anos contínuos de vida do grupo,mantendo a sonoridade já totalmente definida à cada trabalho. Porem, em 1968,os Byrds gaham uma adesão de suma importância para a modificação no trabalho deles,trata-se do guitarrista e cantor Gram Parsons(*1943 - +1973)que entrou substituindo David Crosby-já arquitetando com Stephen Stills e o Britânico Graham Nash,o Crosby Stiils & Nash. Parsons não somente tocava muito bem,como cantava e era um exímio compositor de country music. Ele direcionou os Byrds direto para o Country Rock propriamente dito,antecipando toda uma sonoridade predominante do rock americano nas décadas seguintes,influenciando Bufallo Springfield,Crosby,Stills And Nash(Mais tarde,Crosby,Stills,Nash And Young),Flying Burrito Brothers,Manassas,Eagles,Tom Petty,REM,Gin Blossoms,The Long Ryders,The Jayhawks,Whiskeytown e vários outros. Entre 1968 e 1971,vários integrantes passaram pelos Byrds,dentre esses destacamos:Clarence White(Guitarras,Vocais),Gene Parsons(Bateria,Banjo,Vocais,nenhum parentesco com Gram),Skip Battin(Baixo,Vocais),e John York(Baixo,Vocais). Em 1973,eles retornaram numa espécie de reunião com a formação inicial,e um disco excelente lançado pela Asylum Records chamado simplesmente"Byrds". A importância dessa volta já não era tanta,isso porque, eles haviam guardado suas histórias no panteão do rock and roll,provando que em cada trabalho,eles se mostraram esforçados,embiciosos,inteligentes,competentes e antenados com a américa e o mundo.

Discografia Básica:
Mr.Tambourine Man - 1965/Columbia
Fifth Dimention - 1966/Columbia
Younger Than Yesterday - 1967/Columbia
Sweetheart Of The Rodeo - 1968/Columbia
Dr.Byrd & Mr. Hide - 1969/Columbia
Byrds - 1973/Asylum

Mcguinn ainda gravou dois álbuns ao lado de Gene Clark e Chris Hillman como Mcguinn.Clark & Hillman.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

O IMPONENTE SOUTHERN ROCK

Vocês poderiam me dizer o que existe em comum estre às seguintes bandas de rock: "The Allman Brothers Band",The Charlie Daniels Band",Marshall Turker Band,"Wet Willie","Lynyrd Skynyrd",e Mollyhatche? Todas elas,tem um mínimo de cinco ou máximo de seis integrantes,algumas chegam até oito músicos. Entre outras características,esses verdadeiros combos apresentam em sua maioria,tres guitarristas,dois bateristas e um cantor de vóz potentíssima entoando uma combinação de Country,Blues,Jazz,Soul,rock 'n' roll,além de verdadeiras jams com músicas que executadas ao vivo duram até 30 minutos. Estou falando do Southern Rock. O gênero surgiu no sul dos estados unidos,em meados dos anos sessenta. Nomes como The Allman Brothers Band,e Charlie Daniels Band,foram importantes para a consolidação do estilo que ganharia novos adéptos na década seguinte,com a escendência dos grupos "Lynyrd Skynyrd","The Outlaws","38 Specials","Little Feat","Firefall","Ozark Mountain Daradevils" e "Mollyhatchet". As gravadoras Capricorn e MCA,dividiam a preferência da maioria desses conjuntos,alguns tambem lançaram discos pela Epic/Columbia. Nos anos oitenta,nóvos representantes do Southern Rock,ou Dixie Sound,foram surgindo com uma proposta mais voltada para o hard,mas sem abandonar às verdadeiras raizes,dessa maneira apareceram Doc Holliday,Georgia Satellites,e Blackfoot. Nos dias de hoje,continuam surgindo uma avalanche de legítimos representantes dessa que é uma das mais populares vertentes do rock,entre os mais festejados estão: Antler,The Four Horseman,Drive By Truckers,Eat a Peach(banda que emprestou o nome de um disco doThe Allman Brothers Band),Bottle Rockets,Govt Mule,Hogjaw,Blindside Blues Band,Blackberry Smoke,Widespread Panic,Regin Slab,Headhanters,Great Caesar's Ghost.Hello Dave,Six Shot Revival e The Road hammers,somente para mencionar alguns. Por isso,não custa nada lembrar,se você pagar à estrada e começar à ouvir no rádio do seu carro "Blue Sky"  e Sweet Home Alabama,aumente o volume e pise fundo que isso aí é Southern Rock.

Quatro discos para você entender o Southern Rock:

At Fillmore East: The Allman Brothers Band - 1971/Capricorn
Second Helping:  Lynyrd Skynyrd - 1974/MCA
Fire On The Mountain:  Charlie Daniels Band - 1974/Epic
The Marshall Turker Band:  The Marshall Turker Band - 1974/Capricorn

quinta-feira, 28 de junho de 2012

CLASSIC BOOTLEG: RUSH - The Spirit Of St.Louis


Esse Bootleg do Rush,já começa a impressionar pela arte gráfica. A bela foto principal mostra o baterista Neil Peart,totalmente encoberto pelo seu imenso kit da "Tama",e confesso que é um dos melhores discos ao vivo da banda que ouvi. Em Janeiro de 1980,o Rush lançava  o sensacional "Permanent Waves", e logo em seguida pegava à estrada divulgando o àlbum. Uma das primeiras apresentações dessa excursão, foi no dia 13 de Fevereiro na cidade de Saint Louis em Missouri/USA. O local do show foi o Kiel Auditorium que ficou completamente lotado em estado de contemplação por um dos maiores power trios do rock 'n' roll, e como acontece com  todos os concertos do Rush,a satisfação é sempre garantida por um único motivo,os caras são verdadeiros herois no palco,super profissionais, além de músicos competentíssimos. Não é à toa que eles estão exatamente há 42 anos na ativa e com muito combustivel ainda pra queimar. Apesar dessa gig ter "Permanent Waves" como divulgação,apenas duas músicas do Lp fazem parte do set list:"The Spirit Of The Radio" e "Natural Science", o restante é uma seleção dos maiores clássicos do trio com direito à "Find my Way" e "Working Man" do primeiro trabalho. O Rush até hoje vem conquistanto novos fãs ao redor do planeta,a capacidade criativa de Geddy Lee,Alex Lifeson e Neil Peart,continua tão explêndida como antes,época de "Fly By Night","Caress Of Steel","2112","A Farewell To Kings", "Hamispheres","Moving Pictures","Signals","Grace Under Pressure", até o fato comprobatório de que o mais novo lançamento deles "Clockwood Angel",ser realmente um álbum perfeiro e digno da marca RUSH.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

ÁLBUNS CLÁSSICOS




CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL
"Willy And The Poor Boys"
LANÇAMENTO: Novembro,1969
SELO: Fantasy


Eu costumo dizer que os discos do Creedence Clearwater Revival,eram verdadeiros "The Very Best",tendo em vista a quantidade de singles retirados desses LP's. Nos anos de1968 à 1972,o grupo gravou álbuns com uma série de músicas que não saíam das paradas, e que todos sabiam assobiar do início ao final. Entre esses discos,"Willy And The Poor Boys" é o mais aclamado pelos fãs. O guitarrista e vocalista John Fogerty,encontrava-se num grande momento criativo e compos clássicos inesquecíveis,verdadeiros hinos do country rock."Down  In The Corner","Fortunate Sun","Effigy","Feelin Blue","Don't Look Now"(It Ain't You Or Me),"It Came Out Of The Sky","Poorboy Shuffle" e "Side O' The Road". O Lp ainda contava com versões para "The Midnight Special"e "Cotton fields"(Canções folk tradicionais). Estão todos nesse LP/CD que expressa a importância do Creedence Clearwater Revival para o rock 'n'  roll. É praticamente impossível falar de rock no final dos anos sessenta e começo dos setenta,sem lembrar da vóz potente de John Fogerty e todos aqueles hits certeiros do CCR. 





terça-feira, 26 de junho de 2012

CLASSIC BOOTLEG:Cry Of Love - Live At Summerfest 1994

FORMATO: CD Simples
FM Broadcast

Um legítimo representante do hard rock setentista com influências do Free,e do Bad Company. O Cry Of Love foi registrado neste Bootleg,se apresentando no "Summerfest" em Milwaukee,no dia 05 de Julho de 1994. Na ocasião, eles divulgavam"Brother",o primeiro álbum oficial da banda. Depois dessa tour,o vocalista Kelly Holland,deixou o grupo. Em 1997 sai o segundo disco(Diamonds & Debris), e o Cry Of Love encerra às atividades. Em 1998,o guitarrista Audley Freed passou a integrar o The Black Crowes,ficando com eles até 2002.

Formação:
Kelly Holland:Vocals-Guitar-Organ-Piano
Audley Freed: Lead Guitar-Vocals
Robert Kearns - Bass
Jason Patterson - Drums

segunda-feira, 25 de junho de 2012

BRAVE BELT: O início do Bachman - Turner Overdrive

Randy Bachman,Chad Allan e Robin Bachman
O Brave Belt foi formado em 1971 em Winnipeg(Canadá),por Randy Bachman(Guitarrista),e Chad Allan(Cantor e Pianista). Ambos foram fundadores do The Guess Who,apesar de Chad Allan não ter nenhuma gravação oficial com o grupo,já que na época,desistiu da carreira de músico e retornou aos estudos,sendo substituido por Burt Cummings.
Com o passar dos anos,Bachman e Cummings se desentenderam-os dois foram mesmo aos tapas-e o guitarrista acabou deixando o The Guess Who. Sem ter nenhuma opção,Randy Bachman,retoma o contato com Chad Allan,que já possuia algumas composições prontas,e sugeriu ao amigo que lhe produzisse um disco. Bachman convida seu irmão do meio,Robin para à bateria,e vão os tres para o estúdio iniciar as gravações. Depois de alguns dias, Randy Bachman mostra às fitas de demonstração aos executivos da gravadora Reprise que notam um desempenho esmeradíssimo dos músicos como banda,e não meros acompanhantes do cantor Allan. Esses mesmos executivos,requisitam o trio para uma turnê pelo Canadá,Randy Bachman adorou a ideia,convocou o amigo do peito C.F. Turner para tocar contra baixo, e batizou a banda de Brave Belt. O que seria o trabalho solo de Chad Allan,na verdade se tornou o primeiro álbum homônimo do Brave Belt. Após o lançamento,Allan se manda para novamente retornar à faculdade de odontologia e na excursão subsequênte,Turner e Bachman,assumem em definitivo os vocais. Para a gravação do segundo disco Brave Belt II,foi convocado outro Bachman,dessa vez o caçula Tim,que passa à tocar a segunda guitarra. Quando o Lp saiu,ainda se ouvia duas músicas cantadas por Chad Allan com destaque para o hit "Another Way Out",mas ele já estava definitivamente fora. Mesmo com os dois discos não vendendo o que se esperava,a gravadora concordou com mais um trabalho,e após a conclusão do que seria o Brave Belt III,Randy Bachman, e C.F.Turner decidiram que usando seus sobrenomes e a palavra overdrive-retirada de um cartaz que fazia a propaganda de um caminhão-a sorte poderia mudar,e realmente mudou com o aparecimento do Bachman - Turner Overdrive,mais conhecido como B.T.O,mas isso,já é outra história.


DISCOGRAFIA:
Brave Belt - 1971/Reprise
Brave Belt II - 1972/Reprise

Existe uma versão em CD com os dois discos juntos

domingo, 24 de junho de 2012

CONHEÇA: Elephant Nine.Ainda temos o bom e velho jazz rock

Os Moruegueses do Elephant Nine
O formato teclado,baixo,e bateria,não é nehuma novidade no rock. Agora,um som com tais isntrumentos num autêntico jazzfusion executado por uma novíssima banda,é de se aclamar com fogos e mais fogos. É que para o nosso contentamento,ainda existem muitos grupos revisitando os sixties e seventies procurando beber na fonte do que se fez de melhor no rock 'n' roll. Misturando Emerson,Lake And Palmer com Jan Hammer Group,surgiu em Oslo na Noruega,o Elephant Nine,um super trio de músicos excepcionais fãs incondicionais de jazz rock e rock progressivo,o resultado não poderia ser outro,se não,o lançamento de tres cds-sendo um ao vivo-que valem muito a pena o último centavo investido. Não temos mais nada o que comentar sobre esses caras,é jazz rock classudo e na medida certa para os apaixonados pelo gênero.

Formação:
Stale Storlokken - Organ Hammond - Keyboards
Nikolai Heengsle Eilertson - Fender Jazz Bass
Torstein Lofthus - Drums

Discografia:
Dodovoodoo - 2008
Walk The Nile - 2010
Live BBC - 2011

MILES DAVIS: O rock and roll atingindo em cheio o Jazz

"Miles na época do disco "In  a Silent Way"
Em 1967 aos quarenta anos de idade,Miles Davis estava atento ao que vinha acontecendo no mundo da música,do funk de James Brown à psicodélia,do blues pesado ao canterbury,do som de Detroit à explosão pop,nada escapava de sua observação,filtrando tudo e a todos à sua maneira. Entre 1966 à 1968,o músico havia se juntado à um grupo de jovens músicos talentosos e inovadores:Herbie Hancock,Wayne Shorter,Ron Carter,Chick Corea,Dave Holland,Joe Zawinul,Tony Williams e John Mclaughlin. Em 1968,a música negra começava a atingir uma grande parte do mercado fonográfico apresentando nomes como Jimi Hendrix e Sly And Family Stone. Enquanto isso Miles Davis se considerava pronto para a próxima investida,eletrocutar o Jazz,fazendo do gênero uma extenção do rock. O primeiro resultado dessa ideia foi o disco "In A Silent Way". Gravado no início de 1969 e contando com toda a turma já citada. Este foi o primeiro trabalho de Miles que realmente se tornaria um divisor de águas para os puristas do Jazz, às  transições translúcidas do Jazzista,apenas apontavam em direção ao que estava por vir. Em 1970 com o lançamento da obra prima "Bitches Brew",Miles Davis deu um salto ainda maior na eletrificação e sonoridade de sua música,contribuição do guitarrista Britânico John Mclaughlin. Era a redenção do Jazzfusion,o Jazz com guitarra elétrica,baixo e piano elétrico Fender Rhodes. "Betches Brew" um Lp duplo com temas contagiantes como "Pharaoh's Dance" "Spanish Key" e "Sanctuary",foi considerado o marco zero da fusion,estava lançado em difinitivo a corrente do Jazz Rock. Em 1971,Miles começou trabalhando na trilha sonora da cinebiografia do lendário pujilista Afro Americano Jack Johnson(1878-1946),este um disco de Jazz Rock propriamente dito. Em "A tribute To Jack Johnson",o trunpetista irrompe do Jazz. Concebido com apenas duas longas faixas,uma de cada lado,é nítida a porrada sonora de "Right Off" que abre o lado "A" do LP. Dizem que para compor a levada do tema,Miles Davis se inspirou no barulho das rodas de um trem sobre os trilhos,durante uma viagem. Ainda nesse mesmo tema,o trupete do mestre só entra depois de alguns minutos de puríssimos grooves saídos da guitarra de John Mclaughlin. Daí em diante a quebradeira torna-se irresistível,e quem ousaria desafiar uma banda com:Billy Cobham(Bateria),Herbie Hancock(Orgão Hammond),Steve Grossman(Saxofone),John Mclaughlin(Guitarra),o jovem baixista apenas com 19 anos Michael Anderson alem é claro de Miles Davis? A capa original desse álbum,é outro ítem de comentário. Nela o boxer aparece em gravura por volta de 1910 elegantemente vestido com seu carrão e cercado por belas mulheres. Um fato bastante curioso tambem marcou a época do lançamento,Miles Davis foi até a sala de Clive Davis,diretor da  Columbia(CBS),para exigir um tratamento de pop star igual ao que a gravadora estava dando às bandas Chicago Transit Authority e Blood Sweat & Tears. Ao entrar,Miles Davis ao seu modo bem peculiar,disparou: "Esses Branquelos de merda vendem somente tres milhões de cópias e foram por mim influenciados que vendo 500 milhões". "A Tribute  To Jack Johnson",foi a lição mais aprimorada para os discípulos do gênio Miles Davis,que não perderam tempo: Mclaughlin e Cobham,montaram a Mahavishnu Orchestra,Chick Corea,agrupou o Return To Forever,Tony Williams,formou o Life Time,Herbie Hancock,misturou tudo ao funk no Headhunters(dizem que era exatamente isso que Miles estaria planejando fazer com Jimi Hendrix,eu acredito) e Joe Zawinul com Waine Shorter surgiram com o excelente Wather Report.

Discografia Básica:
The Tony Williams Life Time: Emergency - 1969/Polydor
Miles Davis: Beatches Brew - 1970/Columbia
Miles Davis: A Tribute To Jack Johnson - 1971/Columbia
Mahavishnu Orchestra:The Inner Mounting Flame - 1971/Columbia
Mahavishnu Orchestra: Birds Of Fire - 1973/Columbia
Herbie Hancock: Head Hunters - 1973/Columbia
Return To Forever: No Mystery - 1975/Polydor
Weather Report: Heavy Weather - 1977/Columbia

sábado, 23 de junho de 2012

ÁLBUNS CLÁSSICOS:Você precisa ter na sua coleção

KING CRIMSON
In The Court Of The Crimson King
Lançamento: Outubro de 1969
Selo: Atlantic

No dia 05 de Julho de 1969,o Hyde Park de Londres estava lotado,todos queriam ver os Rolling Stones tocar em memória do guitarrista Brian Jones. Antes de Mick Jagger e Cia subir ao palco,quem roubava a cena,era um grupo novato que fazia sua estreia,eles resolveram naquele mesmo dia que chamar-se-iam "King Crimson",nome inspirado no título do primeiro disco da banda lançado tres meses depois. "In The Court Of The Crimson King",é um apanhado de canções voltadas para às idéias geniais de Bob Fripp. O guitarrista criou solos desesperadores capazes de deixar eletrizadas às passagens mais inocentes do àlbum que abre com o Heavy Metal "21st Century Schizoid Man",onde o instrumental da música se confunde com o vocal profundo do baixista Greg Lake(Futuro Emerson,Lake & Palmer). O restante do trabalho, é de uma continuidade belíssima,com canções alternadas entre ruídos e suavidades,o que viríamos à conhecer como rock progressivo.

A MÚSICA ELETRÔNICA DO KRAFTWERK

O Kraftwerk em 1974
ORIGEM: Alemanha
GÊNERO: Electronic Music,Synth Pop,Progressive Electronic

Um dos grupos mais influentes da música contemporânea,o Kraftwerk surgiu no início dos anos setenta,propenso a desafiar qualquer corrente musical da época. A princípio eles se chamavam "Organisation"contando com Half Hütter,Florian Schneider,Fred Monicks e Buch Hauf. Chegaram a lançar como tal,um disco com o tìtulo de "Tone Float",trabalho esse que fugia totalmente do convencionalismo hippie que ambientava aqueles dias. Na sequência,resolveram trocar o nome para "Kraftwerk" em homenagem à uma velha usina desativada,localizada num bairro em Düsseldorf,cidade natal dos músicos,Monicks e Hauf,acabaram deixando o projeto,e uma série de integrantes passariam pelo Kraftwerk que manteria sempre o núcleo fundador "Half Hütter e Florian Schneider. Com o novo nome,eles lançam ainda em 1970 "Krafwerk",em 1972 aparecem com "Kraftwerk 2".no ano seguinte,sai "Half And Florian" e em 1974,o álbum mais aclamado dos robóticos,"Autobahn". Com esse LP,eles obtiveram o reconhecimento merecido alem das fronteiras da Alemanha,o mundo todo passou a conhecer o Kraftwerk. A música tambem havia mudado em comparação com o que fizeram no Organisation, desde o primeiro lançamento,a eletrônica passaria a dominar por completo,abusando de sintetizadores,vocoder,bateria e percussão programadas,o que viria à influenciar artistas como David Bowie,Brian Eno,e toda a geração técno pop surgida a partir do pós punk, com uma grande hegemonia no cenário pop dos anos oitenta(Ultravox,Devo,Gary Numan,Flock of Seagulls,Alternative Tv,Pere Ubu,Joy Division,Gang Of Four,Cabare Voltaire, Psychic Tv,Depeche Mode,etc). O mais interessante é que, nos dias de hoje,em qualquer ocasião que o assunto seja música alternativa,principalmente os festivais,o Kraftwerk ainda é lembrado como atração principal,fato que aconteceu no dia 11 de Maio de 2012 no Anhembi em São Paulo,quando eles se apresentaram no Sónar Fest,com uma inovação,foram distribuídos óculos 3D para a plateia,ou seja,os verdadeiros seguidores dessa ainda ativa usina sonora.

Formação Atual:
Half Hütter: Sintetizadores,Vocoder,Efeitos
Florian Schineider: Sintetizadores,Vocoder,Efeitos
Fritz Hilpert: Bateria e Percussão Programada
Hanning Schmitz: Bateria Elétrônica,Percussão Programada


Discografia Básica:
Half & Florian - 1973/Vertigo
Autobahn - 1974/Vertigo
Radio Aktivitat - 1975/Capitol
Trans Europa Express - 1977/Capitol
Die Mensch -  Machine - 1978/Capitol
Computerwelt - 1981/EMI


Site Oficial:
www.kraftwerk.com



quinta-feira, 21 de junho de 2012

HÁ QUARENTA ANOS,SURGIA NA INGLATERRA O GLAM ROCK

Com o rock 'n roll cada vez mais atingindo a maior idade,a turma teenage da Inglaterra precisava urgente de novidades para construir novos ídolos. Nos primórdios dos anos setenta,uma das figuras da nova fase ro rock Inglês chamava-se David Bowie. Os primeiros discos gravados por Bowie,haviam passados despercebidos por todos,e em 1972,ele decidiu dar uma reviravolta na carreira. O cantor montou uma banda com um nome estranho "The Spíders From Mars"que contava com uma promissora revelação, um jovem guitarrista chamado Mick Ronson,e grava um disco genial com o título kilométrico de "The Rise Fall Of Ziggy Stardust And The Spiders From Mars",isso numa época em que mesmo casado com Angela,David Bowie declarava à todos que era bissexual,daí em diante encarnaria o personagem interplanetário "Ziggy Stardust" encantando fãs no mundo todo. David Bowie começava a se apresentar com os cabelos estarqueados e tingidos de vermelho,roupas coloridíssimas e extravagantes. Os álbuns seguintes,"Aladdin Sane","Pin Ups" e "Diamond Dogs" ainda representariam o apogeu do movimento glam. Nessa onda toda de plumas,cetim e bastante maquiagem,David Bowie não estava sozinho,junto dele e com o mesmo prestígio encontrava-se um cara que adorava purpurina e frequentava costantemente o programa da BBC TV "Top Of The Pops,seu nome,Marc feld ou Marc Bolan dono do "T.Rex". Ainda se juntariam aos dois: Mott The Hoople,Slade,Mud,Sweet,Gary Glitter e Roxy Music. O glam rock ou glitter rock como costumavam pronunciar os críticos Ingleses,começou a perder o interesse de seus admiradores,a partir de 73/74,quando David Bowie anunciou em pleno show,o sepultamento de Ziggy Stardust,comunicando à todos,platéia e músicos da banda,que aquela,seria a última turnê. Quanto à Marc Bolan,depois de lançar discos importantíssimos como:"Electric Warrior","The Slider" e "Tanx",desmembra o T. Rex para seguir carreira solo,infelizmente interrompida no dia 16 de Novembro de 1977 em consequência de um acidente automobilístico. Ele dirigia seu porshe em altíssima velocidade(150 Km/h),quando perdeu o controle de direção do carro,chocando-se com uma árvore na beira de uma estrada numa noite cheia de neblina. O fenômeno do glam rock,até hoje é comparado com o auge da Beatlemania, e quem pensa dessa forma,não deixa de ter razão.

DISCOTECA BÁSICA:
The Rise And Fall.........David Bowie -  1972/RCA
The Slider: T.Rex - 1972/Odeon
All The Young Dudes: Mott The Hoople - 1972/CBS
Transformer: Lou Reed - 1972/RCA
Glitter: Gary Glitter - 1972/Bell
Slayed: Slade - 1972/Polydor
Sweet Funny Adams: Sweet - 1974/RCA
Mud Rock: Mud - 1974/RAK

GOLDEN EARRING: OS GIGANTES HOLANDESES

O Golden Earring em 1973

Origem: Holanda
Gênero:Hard Rock

O Golden Earring,foi formado no ano de 1961 em Den Haag,Holanda pelos amigos de escola George Kooymans e Rinus Gerritsen. Até 1965 quando eles gravaram profissionalmente o primeiro álbum,havia no conjunto,uma troca sucessiva de integrantes. O melhor line up somente se consolidaria a partir de1969,depois do lançamento do LP "Eight Miles Hight",título de uma canção do The Byrds regravada nesse disco,o terceiro com a presença do excelente vocalista Berry Hay que alem de cantar,toca flauta,soxofone,teclados e guitarras. O Golden Earring,emplaca 1970 excursionando pela primeira vez pelos estados unidos,disputando espaço com Led Zeppelin,Mountain,The Who e Stepenwolf. Em 1971,a Inglaterra passa a conhecer o som dos Holandeses que executam várias apresentações abrindo para o The Who-Pete Towshend,adora o Golden Earring. De 1971 à 1973,gravam tres álbuns,sendo "Moontan",o melhor deles,trazendo o hit "Radar Love"(obrigatório na programação das rádios classic rock). Em 1974,a turma retorna à america tocando ao lado de Kiss,Rush,The Doobie Brothers e Deep Purple. No ano seguinte descansam,em seguida começam a gravar "Switch" que passa totalmente batido por crítica e público,mas em 1976,outro grande trabalho é lançado, "To The Hilt" apresentando uma capa belíssima de autoria da empresa Hipgnosis,e os hit singles "To The Hilt"(homônimo ao álbum) e "Why Me"(uma das minhas músicas preferidas). 1977 começa com o tão esperado ao vivo,e o duplo"Golden Earring Live" é realmente um dos melhores. Chega a década de oitenta e o grupo passa a ser admirado tambem pelos headbangers. "Cult" de 1982, eleva a canção "Twilight Zone" às primeira posições da Billboard. Para os anos seguintes,o Golden Earring resolve diminuir seus excessos tanto em excursões como nos estúdios,mas ainda estão na ativa,mesmo já tendo seus integrantes, passado dos sessenta anos de idade,sem que isso, impeça que eles continuem tocando como se ainda estivessem nos anos setenta.O último disco do Golden Earring,tem o sugestivo nome de "Tit's 'n Ass", e foi lançado  no dia 11 de Maio de 2012.

Formação:
George Kooymans:Guitarras e Vocais
Rinus Gerritsen:Baixo e Teclados
Barry Hay:Vocal Solo,Flauta,Saxofone,Teclados
Cezar Zuiderwijk:Bateria e Percussão

Discografia Básica:
Eight Miles Hight - 1969/Polydor
Moontan - 1973/Polydor
To The Hilt - 1976/Polydor
Live - 1977/Polydor(Duplo Ao Vivo)


Site Oficial:
www.goldenearring.nl


terça-feira, 19 de junho de 2012

CAPAS POLÊMICAS:Street Survivors>Lynyrd Skynyrd

ÁLBUM: Street Survivors
ARTISTA: Lynyrd Skynyrd
ANO DE LANÇAMENTO: 1977


As chamas que envolvem os músicos do Lynyrd Skynyrd,faziam parte da fotografia original estampada na capa do LP "Street Survivors"lançado em 17 de Outubro de 1977. Após o acidente aéreo sofrido pelo grupo em que foram fatalmente vitimados alguns integrantes,entre eles,o vocalista Ronnie Van Zant,o guitarrista Steve Gaines e sua irmã Cassie,todas as capas com essa foto foram recolhidas,por determinação da gravadora MCA. O álbum em questão, retornaria às lojas alguns dias depois, já sem as envolventes labaredas.

domingo, 17 de junho de 2012

SINGLE COLLECTORS: Bohemian Rhapsody>I'm In Love With My Car


ARTISTA: Queen
LANÇAMENTO: Outubro de 1975
SELO: E M I
CONSTA NO ÁLBUM: At Night The Opera


Por ter uma duração desapropriada pára os padrões dos singles(5:55). A música "Bohemian Rhapsody" que mesclava aventura operística com hard rock,foi totalmente recusada pelos diretores da  EMI que determinaram ao Queen-na época gravando o álbum "At Night The Opera"-enxugar ao máximo a canção. Freddie Mercury e Brian May não deram bola e levaram uma cópia da música gravada em K7, para o disc jockey Kenny Everett da Rádio Capital FM de Londres. Com "Bohemian Rhapsody" tocando sem parar,rapidamente caiu no gosto dos ouvintes,obrigando a direção da gravadora voltar atrás de sua infeliz decisão e aprovando de imediato o lançamento para o dia 31 de Outubro de 1975.

sábado, 16 de junho de 2012

THE JAYHAWKS: Assumem o lugar que um dia foi dos Byrds

Capa do Disco "Tomorrow The Green Gress"
Confesso que quando ouvi esse grupo pela primeira vez,o The Byrds me veio em mente. Caramba!! exclamei. Que som !! exclamei novamente. O The Jayhawks foi formado em 1985 na cidade de Minneapolis/U.s.a. Pela banda já passaram vários integrantes,mas seus dois membros fundadores,Gary Louris,e Mark Olson,estão sempre disposto a manter o conjunto na ativa. Ao lado de Whiskeytown,Wilco,Long Ryders, e Son Volt,eles foram os  responsáveis pela atual releitura do Country Rock americano,num movimento chamado pela crítica de Alt-Country surgido a partir da metade dos anos oitenta. O The Jayhawks,já possui onze discos gravados oficialmente,sendo que tres deles,foram registrados ao vivo. A formação atual é a seguinte:
Gary Louris(Vocals,Guitar),Mark Perlman(Bass,Vocals),Mark Olson(Guitar,Vocals),Tim O'Reagan(Drums), e Karen Grotberg(Keyboards).
Discos mais representativos:
*Hollywood Town Hall(1992)
*Tomorrow The Green Gress(1995)
*Smile(1997)
*Rainy Day Music(2003)

terça-feira, 12 de junho de 2012

A morte de Bob Welch em 07/06/2012


O Fleetwood Mac em 1972 com Bob Welch,entre Christine e John Mcvie
A exemplo de Dave Mason e Alvin Lee entre outros, o guitarrista norte americano Bob Welch,nunca fez parte das enfadonhas listinhas de os maiores das seis cordas,e nem precisava disso. Seu talenro como músico estava acima de qualquer relação de melhor disso ou melhor daquilo. Bob Welch foi encontrado morto em sua casa nos arredores de Nashville no último dia 7 de Junho. O corpo,apresentava uma perfuração de bala à altura do peito,e partindo desse princípio,à polícia trabalha com hipótese de suicídio,uma vez que, foi encontrado um bilhete com teor suicida deixado por Bob à sua mulher. Ele integrou o Fleetwood Mac de 1971 à 1974,e gravou com a banda,quatro excelentes LP's Future Games(71),Bare Trees(72),Penguin(73),Mystery To Me(73),e Heros Are Hard To Find(74). Alem de guitarrista,Bob Welch dividia os vocais com Christine Mcvie e participava ativamente das composições. Sua entrada no grupo,foi para substituir dois membros fundadores,os guitarristas Peter Green e Geremy Spencer que ao lado de Mick Fleetwood e John Mcvie,montaram o Fleetwood Mac em Londres no ano de 1967. Em 1975,Bob formou o Paris ao lado do ex baixista do Jethro Tull Glen Cornick. Com um som escolado no Led Zeppelin,o Paris gravou somente dois discos possibilitando a à Bob Welch,iniciar sua carreira solo com o álbum Franch Kiss(1977),trazendo os hits "Sentimental Lady"(que ele já havia gravado com o Fleetwood Mac no LP Bare Trees),"Ebony Eyes" e "Mystery Train"(ambas tocam até hoje nas emissôras classic rock). Bob Welch em 1978 participou como uma das atrações principais da segunda edição do California Jam Festival tendo à cantora Stevie Nicks nos backing vocals na música "Ebony Eyes". Na sequência,Welch gravaria até 1983 retornando aos estúdios somente em 1999. Seu estado de saúde há muito vinha se agravando e Bob Welch previa uma depressão. Supõe-se que este tenha sido realmente o fator preponderante para à sua alucinada atitude.